A cultura do trabalho

A escravidão deixou o Brasil tardiamente. Por conseqüência, a sociedade brasileira sofreu e continua a sofrer de uma visão míope e preconceituosa em relação ao trabalho. Mesmo após a abolição da escravatura, a relação entre trabalho, escravidão e submissão permaneceu.

O trabalho se tornou algo degradante, ao invés de gratificante. Muitos são os que trabalham por necessidade, não pela satisfação de produzir, de aprender e construir. Pergunte a qualquer transeunte o que ele faria se ganhasse na loteria e veja o tamanho desprezo pelo trabalho que o indivíduo manifestará.

Durante a escravidão, o trabalho era opressor. Hoje, o trabalho é libertador. Só através dele se conquista a independência, o sentimento de realização e a paz de espírito.  Uma vida sem compromissos é uma vida vazia, sem sentido, sem missão. Veja quantos milionários continuam a trabalhar apesar de sua fortuna. Será que isso se resume a ganância? Conte quantas pessoas morrem pouco tempo após terem se aposentado.

Afinal, o que fazer com tempo que nos é dado, senão prover o bem e a satisfação para outrem através do trabalho? O trabalho dá sentido à vida.

Publicado por

Daniel R. Bastreghi

O que nos move? Como fazer valer nossos esforços? Como aproveitar o tempo que nos é dado? Na esperança de um dia encontrar respostas convincentes para essas perguntas, eu, Daniel, passeio pelo mundo do marketing, empreendedorismo, psicologia, autoconhecimento e filosofia. Compartilhe suas percepções e ajude a construir o conhecimento.

Um comentário sobre “A cultura do trabalho”

  1. Total de acordo, muito não enxergam isso por não estarem satisfeitos com o que fazem, e acham que o problema esta no trabalhar em si, e não tem coragem de mudar.

Deixe uma resposta