Como controlar o futuro

planejamento estratégico

Prever e antecipar o futuro é o objetivo final de todo planejamento estratégico. Nele, investigamos tendências que se traduzem em oportunidades e ameaças. No entanto, muitos teimam em ignorá-las. A Kodak ignorou o avanço da fotografia digital e acabou virando passado. O mesmo aconteceu com milhares de vídeo-locadoras pelo mundo. O futuro parece distante e então chega de repente, como um tsunami.

Hoje, há centenas de tendências fortes e ignoradas. Estamos no meio de uma revolução. Impressão 3D, inteligência artificial, carros autônomos, energia renovável, indústria 4.0 e big data estão transformando por completo profissões e setores. Mas muitos insistem em não ver. Pensam ser imunes. Quando a onda gigante chegar, agirão como tantos taxistas, apelando em vão para medidas protecionistas.

A boa notícia é: existe uma forma de controlar o futuro. Aliás, talvez a única. É uma estratégia chamada de “controle do tempo”. Ela consiste em aceitar que a mudança é inevitável e, portanto, o melhor a se fazer é liderá-la! O futuro não é imprevisível se você criá-lo. É assim que agem grandes referências, como Apple, Google, Microsoft, Facebook e IBM. Também vemos essa abordagem em diversas modalidades esportivas, como na Fórmula 1, ciclismo e na natação.

O que essas empresas e equipes esportivas têm em comum? A necessidade de serem os primeiros. Sim, a palavra é necessidade. Uma equipe de Fórmula 1 tem um contexto novo a cada temporada. Há novas regras, novos pilotos, novos patrocinadores e novas tecnologias. Logo, é necessário absorver o máximo de inovações a cada ano. Esse é o ritmo de “controle do tempo” com o qual uma equipe de Fórmula 1 tem de lidar. Seus gestores devem ter certeza de que são capazes de entregar o máximo em inovação, a cada ano. Para ganhar campeonatos, as equipes precisam ser muito rápidas também fora das pistas.

Se, por exemplo, o contexto de uma determinada empresa muda a cada 3 anos, então seus gestores devem assumir como meta o lançamento de uma inovação nessa mesma frequência. Assim, seu ritmo de evolução será igual ou superior ao da concorrência. Caso contrário, a empresa ficará para trás e em breve será esquecida. Controlar o tempo significa estabelecer um ritmo de inovação igual ou superior ao ritmo de mudanças do ambiente.

Repare na Rede Globo investindo massivamente no seu portal G1 e na Globo Play devido à perda de audiência para a Internet. Veja as rádios investindo tardiamente em aplicativos. O que acontecerá quando muitas pessoas tiverem impressoras 3D? E quando os carros autônomos estiverem andando por aí? E quando a inteligência artificial acertar diagnósticos médicos melhor que os próprios médicos? Ou quando seu fornecedor inaugurar um e-commerce? Ou quando todas as suas mercadorias tiverem um chip RFID? O futuro é logo ali e há muitas evidências disso.

Diga adeus para Atari, Compaq, BlackBerry, AOL, Blockbuster, Jornal da Tarde… Não subestime as mudanças, lidere-as.

Publicado por

Daniel R. Bastreghi

O que nos move? Como fazer valer nossos esforços? Como aproveitar o tempo que nos é dado?Na esperança de um dia encontrar respostas convincentes para essas perguntas, eu, Daniel, passeio pelo mundo do marketing, empreendedorismo, psicologia, autoconhecimento e filosofia.Compartilhe suas percepções e ajude a construir o conhecimento.

Deixe uma resposta