Van Halen e a gestão da qualidade

Grandes shows parecem tão espontâneos que nos fazem esquecer de que há uma indústria por trás dos palcos.

O que David Lee Roth, ex-vocalista da banda Van Halen, pode nos ensinar sobre gestão da qualidade? Grandes músicos são famosos pelas suas exigências extravagantes. David não era diferente. Uma das cláusulas do contrato de shows exigia que no camarim fosse disponibilizada uma tigela de chocolates M&M’s, porém sem nenhum confeito marrom. Exigência esdrúxula, não?

Posteriormente, David revelou em uma entrevista:

“Quando eu entrava nos bastidores e encontrava um M&M marrom na tigela, vasculhávamos toda a produção. Sem dúvida, encontraríamos erros técnicos. E, sem dúvida, enfrentaríamos problemas”.

David sabia que se uma especificação simples prevista em contrato fosse ignorada, o desleixo poderia estar presente em outros elementos do show.

There’s Only One Way To Rock!

Publicado por

Daniel R. Bastreghi

O que nos move? Como fazer valer nossos esforços? Como aproveitar o tempo que nos é dado? Na esperança de um dia encontrar respostas convincentes para essas perguntas, eu, Daniel, passeio pelo mundo do marketing, empreendedorismo, psicologia, autoconhecimento e filosofia. Compartilhe suas percepções e ajude a construir o conhecimento.

Um comentário sobre “Van Halen e a gestão da qualidade”

Deixe uma resposta